Missa Da Meia-Noite, Nova Série Netflix É Familiar Por Razão Intrigante

Missa Da Meia-Noite, Nova Série Netflix É Familiar Por Razão Intrigante
Imagem Divulgação

Nova série de terror da Netflix já fazia parte do universo criado por roteirista de A Maldição da Residência Hill.

Existem alguns criadores no mundo do terror agora, cuja influência no gênero ao longo do século 21 é óbvia. Há cineastas como Alex Garland (“Ex Machina”, “Aniquilação”) e Ari Aster (“Hereditário”, “Midsommar”), cujo sucesso de nível mais independente ajudou a inspirar e orientar o que as pessoas às vezes chamam de “terror da arte”. Mas o candidato azarão para o contador de histórias de terror mais influente das últimas décadas é quase, certamente, Mike Flanagan. E agora ele retorna com sua nova obra, Missa da Meia-Noite.

Flanagan tem se construído lenta e metodicamente, contando histórias emocionalmente horríveis em que o perigo está na doença mental, no luto e no abuso de substâncias. Em 2013, ele lançou “Oculus” (com Karen Gillan), que explorou o trauma de longo prazo da doença mental de um pai. Desde então, ele lidou com temas semelhantes em filmes como “Doctor Sleep” e em séries como A Maldição da Residência Hill.

Mas a partir de 24 de setembro, estaremos testemunhando o mais recente conto de terror de Flanagan com “Missa da Meia-Noite” chegando na Netflix. E se você é fã das histórias anteriores de Mike Flanagan, talvez ache o título da série familiar por motivos que vão além das associações católicas óbvias.

Acontece que os fãs esperaram por anos para assistirem a essa nova produção, mesmo que ainda não soubessem disso.

Imagem: Divulgação.

Como o jogo de Hush e Gerald se conecta à Missa da Meia-Noite

Em uma entrevista para a Vanity Fair, o parceiro de longa data de Mike Flanagan, Trevor Macy, falou sobre por que Missa da Meia-Noite é tão importante para Flanagan.

“Acho que a história é importante para Mike porque representa quase tudo o que é importante para ele como ser humano e como cineasta”, disse ele. “Ele consegue tocar todas essas bases em uma só série.”

Mas a parte mais interessante de Missa da Meia-Noite é seu contexto dentro do escopo dos projetos anteriores de Flanagan. Macy revelou que a nova série da Netflix estava sendo discutida há muito tempo. E que, além disso, mais de uma emissora recusou produzir o projeto. Na verdade, não foi até o sucesso de “A Maldição da Residência” que a Netflix finalmente embarcou e topou realizar a trama.

No entanto, sabemos que Missa da Meia-Noite estava na mente de Flanagan porque aparece como um romance em dois de seus outros projetos. Em primeiro lugar, no filme “Hush” de 2016, descobrimos que a personagem principal Maddie Young (Kate Siegel) é uma autora que escreveu o romance “Missa da Meia-Noite”. Mais tarde, na adaptação de Flanagan para Stephen King de 2017 “Gerald’s Game”, Jessie (Carla Gugino) encontra uma cópia de “Missa da Meia-Noite” em uma prateleira acima dela enquanto ela está algemada a uma cama.

Resumindo: se você é um fã de longa data do Flanagan, você está esperando por essa produção há tanto tempo quanto ele. Mas pode ser que você não tenha notado esse link dentro de suas outras produções. Só que ao mesmo tempo, por isso o nome parece tão familiar.

Nova série de terror

A série limitada de sete episódios de Mike Flanagan (The Haunting of Hill House, The Haunting of Bly Manor) se passa na Ilha de Crockett, uma pequena comunidade de ilha remota, “cujas divisões existentes são ampliadas pelo retorno de um jovem renunciado (Zach Gilford) e a chegada de um padre carismático (Hamish Linklater)”, de acordo com a sinopse oficial. Depois que o Padre Paul apareceu, eventos estranhos e “aparentemente milagrosos” começaram a acontecer, alimentando um fervor religioso na comunidade. Mas a que preço?

Missa da Meia-Noite estrea na Netflix em 24 de setembro.

Fonte: Mix de Séries

Informa Equipe Portal Guim@online - A gente conecta você!